É comum observar em rodas de conversa entre compradores profissionais, a preocupação quanto ao tema obsolescência quando há uma análise detalhada sobre investimentos em equipamentos tecnológicos. A obsolescência é a diminuição da vida útil e do valor de um bem, devido não ao desgaste causado pelo uso, e sim pelo progresso técnico ou pelo surgimento de novos produtos com o mesmo propósito. Em tese, mensurando-se a vida útil de um produto, podemos entender seu período de obsolescência.

Entretanto, embora obsoletos, normalmente os equipamentos ainda operam com as suas funcionalidades preservadas, principalmente aqueles que não necessitam de software para gestão, como aparelhos de loja, gôndolas, mesas ou mobiliário de escritório. Por outro lado, no caso de equipamentos dependentes de softwares/firmware para operação, como sistemas de segurança eletrônica ou sistemas de refrigeração, é provável que a atualização periódica do software cause obsolescência tecnológica, ou seja, as funcionalidades dos equipamentos passam a ser prejudicadas ou limitadas devido a incompatibilidade entre versões do software. Isto pode acontecer quando a empresa optar por adquirir um ativo tecnológico sem um contrato de manutenção ou atualização de software bem estruturado, fato recorrente em diversas empresas no mercado brasileiro, que enxergam tais despesas como desnecessárias para a operação do dia-a-dia.

Ainda existem os casos nos quais os produtos se mantém funcionais em longos períodos, com softwares constantemente atualizados, mas mesmo assim acabam por trazer a necessidade de troca ou novo investimento, já que possuem vida útil programada para gerar falhas e consequentemente, fazer com o que empresário sinta a necessidade de adquirir um novo equipamento em substituição. Este tema é polêmico, visto que os fornecedores alegam que essa prática não existe, mas qualquer empresa que invista em celulares e notebook pode perceber tal prática.

Para todos os casos mencionados, alugar os equipamentos ao invés de comprá-los evita os efeitos da obsolescência, uma vez que é possível casar o prazo em que se espera que os equipamentos se tornem obsoletos com as vigências contratuais da locação ou leasing operacional, possibilitando uma revitalização do parque instalado no final do contrato, consequentemente prevenindo futuros problemas na operação do negócio.