A sigla CAPEX vem do inglês Capital Expenditure e corresponde aos investimentos em bens de capital que a empresa realiza para realizar suas operações.

Em geral são gastos com a aquisição de imóveis, construção ou reforma de fábricas e prédios comerciais, investimentos em máquinas, equipamentos e até mesmo na frota própria de veículos.

No modelo de aquisição, a empresa assume toda a responsabilidade associada ao bem, tais como: manutenção, reparos, inspeções, segurança, armazenamento, seguros, etc.

A rigor o investimento CAPEX considera que empresa precisa “possuir” esses bens para manter suas operações em funcionamento. E de fato a empresa depende de tudo isso para funcionar, mas não necessariamente precisa imobilizar capital para “ter acesso” a esses recursos.

Talvez o exemplo mais comum de substituição do CAPEX ocorre no varejo, quando as empresas recorrem em grande medida ao aluguel de espaços para evitar o investimento na aquisição de prédios comerciais.

Outras deixam de colocar dinheiro na compra de veículos, principalmente quando seu negócio principal não é transporte de carga, por exemplo.

A locação e o leasing surgem como opções naturais para transformar esses investimentos de capital em despesas recorrentes, também chamadas de OPEX, do inglês Operational Expenditure.

O avanço das tecnologias e principalmente dos modelos de negócio tem reduzido paulatinamente a necessidade da empresa “possuir” bens. Atualmente já possível alugar não apenas o imóvel como todos equipamentos necessários para a operação de muitos negócios.

Empresas modernas entendem que o CAPEX se reserva atualmente àpenas aos investimentos estratégicos, aqueles que venham promover uma vantagem competitiva duradoura, tais como:

· Planta industriais complexas

· Imóveis em localizações muito privilegiadas

· Ativos extremamente especializados ou que contenham elevado conteúdo de propriedade intelectual

Uma outra possível motivação para o investimento em CAPEX é a ausência de oferta de locação ou leasing com preços competitivos, algo que ocorria no Brasil até pouco tempo atrás.

Porém, o mercado brasileiro de locação evoluiu rapidamente e nos dias hoje já existe no país uma ampla gama de opções para substituição do CAPEX por OPEX, abrangendo praticamente todos os tipos e portes de negócios.

A competição acirrada dos agentes financeiros tradicionais e de novos players tornaram os valores e taxas bastante atraentes viabilizando a locação de quase tudo na empresa.

No quadro a seguir apresenta uma lista dos principais itens cujo CAPEX vem sendo intensamente substituído por OPEX nos últimos anos:

Categorias Exemplos

Tecnologia da informação e comunicação: Servidores, notebooks, coletores dados

Prevenção de perdas: CFTV, Antenas Antifurto, RFID

Montagem de loja: Mobiliário, manequins, gôndolas, PDVs

Climatização e refrigeração: Ar-condicionado, câmara fria, freezers

Montagem de cozinhas e food service: Fornos industriais, amassadeiras e estufas

Iluminação e comunicação: Painéis LED, luzes decorativas e LCDs

Eficiência energética e proteção: Painéis solares, inversores, geradores

Como os exemplos acima mostram, a substituição dos investimentos tipicamente CAPEX para leasing operacional e locação vem se tornando uma ferramenta fundamental para a expansão e manutenção de negócios, particularmente daqueles que dependem mais de tecnologia para suas operações.

Resumindo, as empresas perceberam que é mais barato, ágil e flexível trocar a posse pelo acesso a esses equipamentos e tecnologias.